Introdução de um novo cão. 2ª parte

bia e os caes

Oi Pessoal, quanto tempo eu não escrevo, né? Mas minha vida está uma loucura, por isso peço desculpas pela demora.

Vocês lembram do texto sobre juntar cães, pois está é a segunda parte, espero que vocês gostem e aproveitem a leitura.

Cão adulto anti-social chegada de outro cão adulto sociável

A primeira regra é que os machos se dão melhor com as fêmeas (existem exceções).  Mas na situação que estou falando, os cães podem ser do mesmo sexo ou de sexo oposto, mas o peludo que já reside na casa é anti-social com cães e seu dono quer inserir outro (pode ser de pequeno ou grande porte, macho ou fêmea), o que dificulta a aproximação. Algumas regras vão ser as mesmas, por exemplo, a apresentação deve ser numa área neutra, devem ficar separados quando o dono não estiver em casa, à liderança entre eles é do cão que já reside na casa há mais tempo (existem casos que devemos reavaliar esta situação), a liderança humana é suprema e a obediência básica é fundamental.

O que vou incluir nesse caso são as longas caminhadas, através delas eles vão criar sentido de matilha. Deixe o mais velho andar um pouco a frente do recém chegado, se os cães forem de grande porte use a coleira Head Collar para facilitar o processo e peça a ajuda de um familiar ou um amigo, assim que chegar em casa deixe os cães na guia afastados, mas no mesmo ambiente qualquer sinal de agressão deve ser corrigido na guia, como líder supremo eles precisam aprender que agressões não serão toleradas. Com o tempo deixe o cão mais velho cheirar o bumbum do outro (SEMPRE NA GUIA, SEGURANÇA EM PRIMEIRO LUGAR), mas uma vez peça a ajuda de outra pessoa, se o seu cão não for confiável use uma focinheira neste procedimento.

Sinto lhes informar, mas a ajuda de um profissional pode fazer muita diferença no resultado final, não é que eu queira vender meu peixe (é claro que eu quero.hahaha), mas um profissional experiente pode evitar situações em que os donos que não tem tanta experiência não conseguem analisar corretamente. Muitas vezes basta um olhar pra saber se o cachorro vai começar uma briga.

Machos adultos x fêmeas adultas

Não costuma dar muito problema, com exceção dos casos citados anteriormente em que um dos cães não tolera outros cães. Sigam as regrinhas de apresentação e das caminhadas que costuma ser a formula do sucesso.

Mas a prevenção é nossa melhor amiga e vou contar um caso que aconteceu aqui em casa, na época em que eu não era treinadora, só tínhamos o Peter (Husky) e a Shena (Golden), eu estava na cozinha com a minha mãe e os dois estavam na sala e de repente eles tiveram uma briga feia, corremos para separá-los.

Hoje analisando a situação como treinadora realmente não sei o que aconteceu, não tinha comida por perto, não tinha ninguém na sala, não tinha ossos ou brinquedos, ou seja, não tenho a menor idéia do porque eles brigaram, só sei que foi a única briga que tiveram durante a vida toda e depois parecia que nada havia acontecido, vai ver o Peter chamou a  Shena de gorda e ela não gostou da brincadeira.rsss

Relatei essa história para que vocês saibam que nem sempre vamos descobrir porque os cães brigam. Acho que sempre queremos resposta pra tudo, mas nem tudo nessa vida tem resposta.

Machos adultos x machos adultos ou Fêmeas adultas x fêmeas adultas

Esses são os casos que costumam dar mais problemas, principalmente quando se tem machos e fêmeas dominantes. É preciso ter muito controle sobre os cães e muita supervisão. Exercícios e disciplina são cruciais para se ter uma matilha estável. Na apresentação a regra é clara utilize uma área neutra com os cães na guia e na coleira, quando estiverem bem cansados deixe que eles se cheirem, mas com a ajuda de outra pessoa para evitar contato visual, quando chegar em casa mantenha ambos na guia, mas não deixe que eles se aproximem um do outro ou comecem a rosnar (isso é para cães que não se dão bem) a idéia é criar sentido de matilha, nesse casos os cães devem saber fazer os comandos senta, deita e fica. Obedecer significa se submeter a uma liderança e a liderança máxima deve ser dos donos. O tempo que leva para um cão se juntar com o outro, varia muito. Depende de quanto tempo o dono tem de disponibilidade para se dedicar aos cães, sua postura como líder, a dominância dos cães.

Estou com um filhote de Pastor Alemão na minha casa por 6 meses para fazer um treinamento, levei dois dias para juntá-lo com a Mirahy (não gosta de cães de fora da matilha), mas isso só aconteceu tão rápido assim, porque o nível de obediência que a Mirahy alcançou me permiti fazer isso em pouco tempo, quando introduzi o Mookie (Papillon) levei 6 meses. Por isso, se você tem dificuldade não espere os cães começarem a se matar para chamar um profissional experiente.

Raças geneticamente intolerantes a outros cães (machos e/ou fêmeas)

Nesse caso sei que pode ser gerado um pouco de polêmica, mas é preciso que as pessoas pesquisem e analisem as possibilidades quando se tem uma matilha.

Algumas raças foram desenvolvidas para não reconhecerem sinais de submissão de outro cão (às vezes não precisa ser um cachorro, tudo que corre e grita pode ser interpretado por eles como uma presa), por exemplo, a raça Pit Bull. Eu sei que existem Pits bonzinhos (já treinei vários maravilhosos) e que conseguem se relacionar com outros cães e isso se deve ao trabalho de criadores sérios que estão tentando modificar esse temperamento, além da socialização logo depois que o veterinário libera o cão para ir à rua. Mas, não é só o Pit Bul que tem problemas de convívio com outros cães, em geral está ligado aos cães que são territorialistas e possessivos, por exemplo, os cães de guarda. Isso não quer dizer que você não vai conseguir ter um Rottweiler macho e um Husky Siberiano macho como eu tive, só estou falando que dá muito trabalho ter que ensinar dois cães que não se gostam que eles vão conviver juntos. O que eu acho mais difícil nesses casos são os donos que não tem perfil pra terem cães com esse tipo de temperamento, ou às vezes se descuidam e esquecem que cães tem instintos, muitas vezes adormecidos e que por algum motivo é liberado.

Já ouvi muitas histórias de criadores que tinham matilhas estáveis e que por algum motivo (disputa de comida, ossos, território, liderança) brigaram até a morte.

Não é fácil ter uma matilha, principalmente de cães que são geneticamente intolerantes a outros cães. Quem vê o programa do Cesar Millan (O encantador de cães) acha que toda aquela matilha é muita fácil de ser manejada, vemos Pits com Rottweiler, Akitas com cães de pequeno porte, mas não se enganem tudo aquilo é fruto de muito trabalho, ele tem uma equipe para manter os cães controlados e calmos.

Por isso, se você tem um cão que desde adolescente se tornou intolerante com outros cães, pense bem antes de adquirir outro, antes de tomar qualquer decisão procure um profissional que conheça as raças e lhe aconselhe da melhor maneira possível.

Conclusão

Não existe uma receita de bolo, tudo deve ser analisado caso a caso, nesse texto citei algumas situações, por isso que muitas vezes é necessária a ajuda de um profissional para fazer uma avaliação. Pode ser que 2 PitBulls machos se dêem bem, mas nesses 7 anos treinando cães de todas as raças vejo que as chances são pequenas.

OBS: Em todos os casos citados o ideal é que todos os cães sejam castrados.

Abraços,

Beatriz Duarte

Treinadora Especializada em comportamento canino

4 Comentários


  1. Muito bom o texto, abriu demais minha mente, muito bom mesmo. Gostaria de saber por alto, tenho duas cadelas da raça pastor alemão e ganhei uma Yorkshire adulta, elas são cães de guarda que nunca aceitaram outros animais, levando em consideração que a mais velha tem 12 anos e a mais nova 5. Na chegada da segunda, que ainda era filhote, foi tranquilo, a mais velha se impôs porém com respeito, elas são bastante submissas a mim, meu receio é que a York já é adulta porém tem aceitação com outros cães, mas tenho medo das pastoras n aceitarem ela. Qual seria sua opinião?

    Responder

    1. Olá Bianca, é difícil dar uma opinião sem conhecer suas peludas ao vivo. Mas eu faria alguns testes, como passear com as 3 juntas, quando chegar em casa deixe-as na guia, mas não deixe que fiquem rosnando ou latindo, se for necessário coloque uma focinheira pra deixá-las cheirar o bumbum da sua York, faça associações com petiscos sempre que sua York estiver por perto. Os comandos de obediência são essenciais pras suas pastoras.
      Grande Abraço

      Responder

  2. Ola minha mãe tem uma vira-lata de pequeno porte não castrada. E eu tenho um pastor alemão grande tbm nao castrado. Ele é anti-social com outros cães, e tenho medo deles não darem certo. por favor me ajuda?

    Responder

  3. Olá tenho uma boder de 2 anos e ganhei um Husky macho de 1 ano será que vai dar certo?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *